Energia: combustível para o dia-a-dia do seu grande amigo
02
Out

Energia: combustível para o dia-a-dia do seu grande amigo

Provavelmente, você já escutou alguém dizer que para realizar as atividades do dia-a-dia você precisa ter energia, certo? É isso mesmo, todos os organismos vivos precisam de energia para poder respirar, crescer, reproduzir, ou desenvolver qualquer outra atividade.

A energia é obtida dos alimentos, ou melhor, da combustão ou queima das moléculas de proteínas, lipideos (gorduras) e carboidratos que são alguns dos nutrientes presentes nos alimentos. Quando os animais consomem estes nutrientes, eles são digeridos, absorvidos e transformados por meio de diversas reações metabólicas em moléculas que contenham energia que será utilizada para a manutenção da vida.

Os alimentos contêm a energia bruta, a qual corresponde ao total de energia presente no alimento. O animal ao consumir este alimento não consegue aproveitar toda a energia contida nele, e isto acontece com qualquer alimento e com qualquer ser vivo, inclusive com os seres humanos. Portanto, parte da energia é excretada nas fezes e na urina dos animais, e a energia que fica é conhecida como energia metabolizável. Esta, é a energia que será utilizada no metabolismo do animal, é aquela energia que está escrita na embalagem de alimentos para animais de companhia e será utilizada para calcular o quanto de alimento o animal precisa ingerir para se manter saudável.

Como ocorre com os seres humanos, os animais não podem consumir mais energia do que eles conseguem gastar, caso isso aconteça eles ficarão acima do peso, assim como se consumirem menos energia do que gastam eles perderão peso. Portanto, não é o alimento que “engorda” o animal, mas sim a quantidade de alimento.

O ideal é que a quantidade de alimento diária que o animal irá ingerir seja calculada de acordo com as suas necessidades de energia e com a quantidade de energia do alimento escolhido por um profissional da área e que seja oferecido apenas esta quantidade. O tutor poderá oferecer algum petisco ao longo do dia, mas que a quantidade não ultrapasse o valor de 10% da quantidade do alimento, isto quer dizer que você pode oferecer um agrado ao seu animal, porém não mais que um ou dois petiscos por dia.

Após o cálculo da quantidade, o tutor poderá escolher a melhor maneira de ofertar o alimento ao animal. Tanto para cães quanto para gatos recomenda-se dividir o alimento em pequenas porções e distribuir as refeições ao longo do dia, mas se for a melhor opção para o tutor o alimento poderá ser oferecido em uma única vez, principalmente para cães. Distribuir as refeições ao longo do dia faz com que o tutor tenha mais interações com o animal, e isto pode contrinbuir para o melhor comportamento do mesmo. A forma de oferecer o alimento poderá ser em vasilha comum, ou em brinquedos interativos, ou em uma, duas, três, ou quantas vezes o tutor achar necessário. Tenha sempre em mente que não existe uma regra do que é realmente melhor para o animal, o importante sempre será oferecer um alimento de qualidade e com quantidade controlada em uma vasilha limpa e água fresca disponível o dia todo.